A banalização das chuvas

As chuvas dos últimos dias têm retomado as discussões em relação aos eventos climáticos extremos, refletidos em transtornos que acarretaram enchentes, inundações e...

Hora de colocar em prática o Plano de Contingência

Em meio ao caos durante qualquer adversidade, a ferramenta inicial utilizada para responder com eficiência, é o Plano de Contigências, Douglas Sant'Anna explica como ele funciona

Com as chuvas, cidades em alerta

Anualmente, o período chuvoso traz a incerteza e o medo de inundações e/ou enchentes para diversos lugares do país, exigindo a...

Depois da seca, a chuva

A seca que afetou o Brasil nos últimos meses não foi a primeira ocorrência deste seguimento. No verão de 2014 houve a mais...

A vulnerabilidade do desconhecimento

No Brasil, como em todo o mundo, os desastres são eventos que ocorrem a muito tempo e geram transtornos sociais, econômicos, ambientais, entre...

Seca que queima vida

As secas, e consequentemente as queimadas, não são novidade nas causas de desastres, muito pelo contrário, são fenômenos que tem afetado vidas no...

Plano de contingência: “manual” do que fazer em casos de desastres

As ações da Defesa Civil no Brasil são norteadas por diversas leis e decretos, mas uma das leis, em especial, traz consigo a...

Quem é Douglas Sant'Anna?

Nascido em Resende/RJ, Douglas Sant’ Anna da Cunha, 34 anos, casado e pai de um menino, foi militar na Academia Militar das Agulhas Negras/RJ onde serviu no Curso Básico em 2003 e logo em seguida, ao sair das forças armadas, se especializou em logística através de cursos, chegando a graduação. Iniciou suas atividades em prol das populações vulneráveis, envolvido em Projetos Sociais ainda em seu município.

Em 2011, extremamente mobilizado e já habilmente capaz em sua área, rumou à Teresópolis /RJ onde participou dos processos de atendimento às vítimas do que foi considerado o maior desastre natural do Brasil. No triste episódio de 2011, Douglas testou seus conhecimentos e, enfrentando inúmeras dificuldades em relação à grandiosidade e complexidade do evento, decidiu que a partir daquela data, sua missão seria difundir a Logística Humanitária no mundo. A partir daí, Douglas se embrenha em pesquisas e cursos internacionais para seu aperfeiçoamento.

No ápice de seus estudos e pesquisas, criou o projeto do Centro LOGÍSTICO DE AJUDA HUMANITÁRIA que cita a metodologia correta para o caso de atendimentos às vítimas de Desastres Tecnológicos ou Naturais, TORNANDO EM LIVRO E SENDO LANÇADO NA CIDADE DE MARIANA/MG NO DIA 05 DE NOVEMBRO DE 2018 (3 anos após o rompimento da barragem da Samarco em Mariana).

Dentre outros, atuou ainda em outros grandes desastres naturais em nosso país: no episódio das enchentes em Vitória/ES (2013), rompimento da barragem de rejeitos em Mariana/MG (2015) e, recentemente, em Brumadinho/MG (2019) também por rompimento de barragem, e atualmente se tornou colunista de jornal com grande rotatividade na região de Ouro Preto e Mariana.

Houveram outros tantos convites nacionais e/ ou internacionais para suas atuações que foram recusados devido à falta de recursos próprios, pois atua como voluntário. Entretanto, não se eximindo de sua missão, quando não pode estar presente, utilizou-se de sua influência para atender às demandas das vítimas, colocando-se à frente de campanhas de arrecadação de donativos como por exemplo: para Angra dos Reis/RJ, para Cubatão/SP e para Teresópolis/RJ, em um segundo momento. Certo da importância em difundir seus conhecimentos em prol do bem comum, passa atuar ora como palestrante, ora como consultor de diversas Instituições como escolas particulares, seja para alunos particulares em Resende ou para outras Instituições como Anjos da Montanha (Itatiaia/RJ) juntamente com representantes da Defesa Civil Municipal de Resende, Simpósio Internacional de Medicina de Emergência, Toxic, Reanimação e Desastres, que ocorreu no México e mais recente no Seminário de Ações em Grandes Desastres em São Paulo a convite da JICA (Agência de Cooperação Internacional do Japão), entre outros.

Douglas continua se especializando e difundindo suas ideias e conhecimentos em prol das vítimas de desastres acreditando que o poder da natureza não escolhe classe social, etnia, religião, sexo e nem idade e que seu trabalho poderá possibilitar o “recomeço” das vítimas de forma íntegra e digna. Segundo ele, a logística humanitária só existirá com todos juntos e convictos de que somos apenas parte de uma engrenagem como o propósito do bem comum.

REDES SOCIAIS

- Publicidade -

ATENÇÃO

*Os artigos assinados não necessariamente expressam a visão do Portal Defesa Civil.
As opiniões expressas no texto são de inteira responsabilidade do autor.