Pesquisadores projetam que o clima em várias regiões do Ártico pode mudar abruptamente

Pesquisadores da Universidade McGill projetam que, à medida que o permafrost continua se degradando, o clima em várias regiões do Ártico pode potencialmente mudar abruptamente, em um futuro relativamente próximo

0
12
Pesquisadores projetam que o clima em várias regiões do Ártico pode mudar abruptamente
Foto: Internet

A pesquisa, publicada na revista Nature Climate Change , também sugere que, à medida que o permafrost se degrada, a gravidade dos incêndios florestais dobrará de um ano para o próximo e permanecerá na nova e mais alta taxa de regiões nos Territórios do Noroeste e no Yukon.

“Estudamos as interações da infraestrutura de engenharia climática (por exemplo, estradas, portos, prédios, tubulações e infraestrutura de mineração) em um clima em mudança. A infraestrutura do Ártico é particularmente afetada pela degradação do permafrost e alterações de umidade do solo associadas, entre outros fatores”, disse a professora Laxmi Sushama .

Sushama é professora do Departamento de Engenharia Civil de McGill e presidente da Trottier em Sustentabilidade em Engenharia e Design. “Quando começamos a analisar mais de perto as simulações de modelos climáticos para a região do Ártico, notamos mudanças bruscas na umidade do solo, bem como aumentos bruscos de chuvas intensas, com um provável aumento de raios e incêndios florestais”. Explicou ela

Descoberta de mudanças climáticas

Pesquisas anteriores no campo tendiam a projetar uma degradação gradual do permafrost, com poucos efeitos diretos no clima. Normalmente, os pesquisadores modelam as mudanças climáticas olhando para trás e para a frente em blocos de 20 a 30 anos, facilitando a perda das mudanças bruscas que estão ocorrendo. Os pesquisadores da McGill analisaram os efeitos das mudanças no permafrost em um nível completamente diferente.

“Não há muita modelagem climática de alta resolução feita no Ártico. Nossos experimentos iniciais com modelos climáticos com resolução de 50 km nos permitiram extrair informações críticas sobre mudanças climáticas ”, afirma Bernardo Teufel , o primeiro autor do artigo, que atualmente está trabalhando em sua pesquisa de doutorado na McGill. “Usamos dados do modelo climático no período 1970-2100 para entender as mudanças prováveis no clima do Ártico e no permafrost. O que descobrimos foi uma imagem de mudanças alarmantes no clima, impulsionadas pela degradação do permafrost”.

Os pesquisadores estão atualmente trabalhando em simulações de resolução muito alta dos prováveis efeitos das mudanças climáticas nas interações permafrost e infraestrutura climática. Eles esperam que isso também forneça uma melhor compreensão dos vários processos de feedback das mudanças climáticas no Ártico para outras pessoas que trabalham no campo e para as partes interessadas e engenheiros

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

- Publicidade -

Deixe uma resposta