OMS declara que coronavírus é uma emergência global de saúde

Medida é acionada 30 dias após primeira detecção do novo vírus, registrada no dia 31 de dezembro na cidade de Wuhan, na China

0
36

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou na tarde desta quinta-feira (30) que o surto do coronavírus é uma emergência de saúde pública de interesse internacional. A decisão foi tomada pela diretoria da entidade após consulta a um comitê formado por especialistas de todo o mundo, que se reuniu por mais de sete horas nesta quinta, em Genebra, na Suíça, sede da Organização.

Na semana passada, a OMS informou que não havia motivos para constituir o surto como emergência global. Porém, com o aumento significativo dos casos confirmados e das mortes, além da constatação de que o vírus está sendo transmitido entre pessoas em alguns casos fora da China, a Organização então convocou o comitê e reavaliou sua posição.

Em apenas 3 dias, da terça-feira (28) até a manhã desta quinta-feira (30), os casos confirmados de infectados pelo vírus saltou de 4.593 para 8.235, de 106 mortos para 171 e de 14 países para 22.

“Nas últimas semanas, assistimos a emergência de um patógeno previamente desconhecido, que escalou para um surto sem precedentes, e que teve uma resposta sem precedentes”, afirmou Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, que elogiou as medidas tomadas pelo governo chinês para conter a propagação do vírus”.

Ghebreyesus disse ainda que a principal razão para a declaração de emergência não é o que está acontecendo na China, mas o que está acontecendo em outros países. “Nós não sabemos que tipo de prejuízos esse vírus poderia causar se for propagado a um país com sistema de saúde mais precário. Devemos agir agora para ajudar os países a se prepararem para essa possibilidade”.

Especial Corona Vírus

O que significa a declaração de emergência global da OMS?

A OMS a define oficialmente como um “evento extraordinário que constitui um risco à saúde pública para outros Estados por meio da disseminação internacional de doenças e potencialmente exige uma resposta internacional coordenada”.

A recomendação é de que autoridades de saúde do mundo inteiro aumentem seu monitoramento da doença e fiquem de prontidão para eventualmente adotar medidas de contenção.

“Todos os países devem se preparar para a contenção, incluindo a vigilância ativa, a detecção precoce, o isolamento e o gerenciamento de casos, o rastreamento de contatos e a prevenção do avanço do 2019-nCoV e compartilhar todos os dados com a OMS”, diz comunicado da agência.

“Os países devem colocar ênfase sobretudo em reduzir a infecção humana, prevenindo a transmissão secundária e que (a doença) se espalhe internacionalmente.”

Os especialistas da OMS afirmaram que não há necessidade, no momento, de medidas que interfiram em trocas comerciais ou em viagens internacionais com a China. “A OMS não recomenda limitações de comércio ou de movimento”, declarou Ghebreyesus.

O comitê de especialistas da agência afirmou que, em geral, “as evidências mostram que restringir o movimento de pessoas e bens durante emergências de saúde pública pode ser ineficiente e sugar recursos de outras intervenções. Além disso, essas restrições podem interromper (a chegada de) ajuda e apoio técnico, pode prejudicar negócios e ter efeito negativo nas economias dos países afetados por emergências”.

Por isso, a OMS afirmou que recomendações de restrição de circulação só são feitas em circunstâncias específicas, nas quais “países devem fazer uma análise de custo-benefício (…) e informar a OMS a respeito de qualquer medida (de restrição) de viagens. Advertimos os países contra ações que promovam estigmatização ou discriminação”.

É importante levar em conta que a decisão da OMS tem um peso sobretudo político. É um sinal que é enviado para os países-membros, o Brasil entre eles, para desenvolver ações coordenadas, incluindo vacinas e tratamentos, e a colocar em prática precauções, como verificação de viajantes em portos, aeroportos, medição de temperatura e monitoramento de quem chegou de viagem, mesmo que sem sintomas.


- Publicidade -