Início Destaque 86% das pessoas com coronavírus andam sem serem identificadas, diz estudo

86% das pessoas com coronavírus andam sem serem identificadas, diz estudo

São as infecções não documentadas que estão impulsionando a propagação do surto, disse o co-autor do estudo Jeffrey Shaman, da Columbia University M. School

0
123
sisters-Emeline-and-Eveline-wash-their-hands-at-a-public-hand-washing-station-as-a-cau
As irmãs gêmeas, Emeline e Eveline, lavam as mãos em uma estação pública de lavagem de mãos como medida preventiva contra o coronavírus no Nyabugogo Bus Park, em Kigali, Ruanda. O simples gesto é uma das maneiras mais eficientes de evitar o contágio Foto: MARGARET ANDRESEN / REUTERS

Os casos de coronavírus “furtivos” estão alimentando a pandemia, com 86% das pessoas infectadas andando sem serem detectadas, diz um novo estudo.

Seis de cada sete casos – 86% – não foram relatados na China antes da implementação de restrições de viagem, impulsionando a propagação do vírus, de acordo com um estudo divulgado nesta segunda-feira (16/03) na revista Science.

“São as infecções não documentadas que estão impulsionando a propagação do surto” Disse o co-autor Jeffrey Shaman, da Columbia University Mailman School, de acordo com a GeekWire.

Usando modelagem computacional, os pesquisadores rastrearam infecções antes e depois da proibição de viajar na cidade chinesa de Wuhan.

Os resultados indicaram que essas infecções não documentadas, com nenhum sintoma ou sintomas leves – conhecidas como casos “furtivos” – estavam atrás de dois terços dos pacientes relatados.

Banner DEFENZ

A maioria dessas infecções são leves, com poucos sintomas”, disse Shaman, informou o Mercury News. “As pessoas podem não reconhecer. Ou eles acham que estão resfriados.”

Esses casos “furtivos” foram capazes de transmitir o vírus que causou sintomas graves em outras pessoas, de acordo com os pesquisadores.

“Ele continuará apresentando um grande desafio para a contenção deste surto daqui para frente”, disse Shaman, acrescentando que ressalta a importância das restrições ao movimento nas regiões mais atingidas.

O COVID-19 se espalhou pelo mundo para 182.400 pessoas, causando pelo menos 7.100 mortes, de acordo com uma contagem da Universidade Johns Hopkins.

Entenda qual é o papel da defesa civil, neste primeiro momento, durante as epidemias no primeiro espisódio da série “Defesa Civil e Você” – A defesa civil e sua atuação nas epidemias