Home Opinião Ações Humanitárias A sombra da barragem

A sombra da barragem

0
A sombra da barragem

A cidade pacata de Barão de Cocais – na região Central de Minas Gerais – com pouco mais de 32 mil habitantes, sofre os reflexos de uma “lama invisível” (como os moradores chamam a sensação que paira no município desde a elevação para nível 3 de segurança da barragem de rejeitos da mina de Gongo Soco) gerando uma mistura de insegurança e medo.

A incerteza afeta diretamente a SAÚDE da população, prova disso é que somente na semana que era previsto o possível rompimento, três pessoas enfartaram, além de casos que foram noticiados pela Secretaria Municipal de Saúde, citando o aumento de 60% (6.000 mil atendimentos a mais no setor) apenas com a ameaça do rompimento. Dentre as principais causas temos a angústia, ansiedade, insônia, pânico e a depressão, afetando adultos e crianças.

O reflexo desta situação é representado em todas as conversas e na MUDANÇA DE HÁBITOS da população, retratado inclusive em brincadeiras de crianças como o demonstrado em um vídeo divulgado recentemente. Nele, crianças moradoras da cidade, derramavam água em um buraco feito no chão até que ela transbordasse e o barro escorresse em direção aos carros e caminhões de brinquedo, aí então com helicópteros, simulavam o salvamento que ocorreria, como em caso de um rompimento real. Além da mudança na vida daqueles que temem perder seu LAR e sua rotina, 458 moradores das comunidades do entorno da barragem completam quatro meses de moradia em hotéis e casas alugadas.

A evacuação de comunidades tira espaços carregados de elementos que antes dava sentido ao seu povo e ricos de CULTURA mantido por COSTUMES historicamente estabelecidos, além da perda de elementos simbólicos, rituais, hábitos, linguagens e tantos outros, comprometendo a identidade local.

Em um ponto, na tentativa de manter a e a TRADIÇÃO, bandeirinhas enfeitam o pátio do Santuário de São João Batista, em outro ponto, a incerteza da realização da tradicional festa de Nossa Senhora Mãe Augusta de Socorro, comemorada há mais 300 anos.  O aumento de atendimentos feitos por líderes religiosos também é notado no que se refere a crenças religiosas, conforme afirmado por um pastor que descreve a situação da cidade como agonizante.

A insegurança compromete SERVIÇOS ESSENCIAIS, fechando agências bancárias, Correios, algumas lojas e afetando o comércio que ainda resiste com quedas de até 50% nas vendas (segundo alguns comerciantes), contribuindo no abalo SÓCIO ECONÔMICO e gerando problemas no turismo. Para minimizar os graves impactos, empresários decidiram manter suas lojas abertas apesar dos prejuízos e oferecer promoções a fim de manter o mínimo de vendas possível e garantir os EMPREGOS.      

No dia a dia da população da pacata cidade, foram inseridos simulados, implantação de sirenes, carros de som para orientar em caso de emergências, marcação de ruas que estão no possível trajeto da lama, placas de sinalização de evacuação, pontos de encontros e, atualmente, o vai e vem de caminhões, tratores e máquinas que avançam, inclusive em propriedades particulares, após mandado judicial. A ação Judicial sita ainda risco de multa diária de R$ 100 mil caso o proprietário não cumpra a determinação.

Portanto, mesmo não havendo o rompimento, os impactos são evidentes, demonstrando a gravidade da situação causada mais uma vez por barragens no Estado. Ainda que para muitos o não rompimento da barragem cessa o problema, os fatos são claros e retificam os riscos e os resultados. Situações como estas inviabilizam a existência de comunidades, obrigando a saída de locais que antes era único lar conhecido por estas pessoas, transformando esses lugares em potenciais campos de extração e lucro para empresas como as causadoras dos desastres. Desta forma, punindo muito mais aqueles que já são vítimas da sombra do que pode acontecer.

Previous article Programa Amaury Valério completa 30 anos no ar
Next article Defesa Civil somos todos nós!
Douglas Sant'anna
Nascido em Resende/RJ, Douglas Sant’ Anna da Cunha, 34 anos, casado e pai de um menino, foi militar na Academia Militar das Agulhas Negras/RJ onde serviu no Curso Básico em 2003 e logo em seguida, ao sair das forças armadas, se especializou em logística através de cursos, chegando a graduação. Iniciou suas atividades em prol das populações vulneráveis, envolvido em Projetos Sociais ainda em seu município. Em 2011, extremamente mobilizado e já habilmente capaz em sua área, rumou à Teresópolis /RJ onde participou dos processos de atendimento às vítimas do que foi considerado o maior desastre natural do Brasil. No triste episódio de 2011, Douglas testou seus conhecimentos e, enfrentando inúmeras dificuldades em relação à grandiosidade e complexidade do evento, decidiu que a partir daquela data, sua missão seria difundir a Logística Humanitária no mundo. A partir daí, Douglas se embrenha em pesquisas e cursos internacionais para seu aperfeiçoamento. No ápice de seus estudos e pesquisas, criou o projeto do Centro LOGÍSTICO DE AJUDA HUMANITÁRIA que cita a metodologia correta para o caso de atendimentos às vítimas de Desastres Tecnológicos ou Naturais, TORNANDO EM LIVRO E SENDO LANÇADO NA CIDADE DE MARIANA/MG NO DIA 05 DE NOVEMBRO DE 2018 (3 anos após o rompimento da barragem da Samarco em Mariana). Dentre outros, atuou ainda em outros grandes desastres naturais em nosso país: no episódio das enchentes em Vitória/ES (2013), rompimento da barragem de rejeitos em Mariana/MG (2015) e, recentemente, em Brumadinho/MG (2019) também por rompimento de barragem, e atualmente se tornou colunista de jornal com grande rotatividade na região de Ouro Preto e Mariana. Houveram outros tantos convites nacionais e/ ou internacionais para suas atuações que foram recusados devido à falta de recursos próprios, pois atua como voluntário. Entretanto, não se eximindo de sua missão, quando não pode estar presente, utilizou-se de sua influência para atender às demandas das vítimas, colocando-se à frente de campanhas de arrecadação de donativos como por exemplo: para Angra dos Reis/RJ, para Cubatão/SP e para Teresópolis/RJ, em um segundo momento. Certo da importância em difundir seus conhecimentos em prol do bem comum, passa atuar ora como palestrante, ora como consultor de diversas Instituições como escolas particulares, seja para alunos particulares em Resende ou para outras Instituições como Anjos da Montanha (Itatiaia/RJ) juntamente com representantes da Defesa Civil Municipal de Resende, Simpósio Internacional de Medicina de Emergência, Toxic, Reanimação e Desastres, que ocorreu no México e mais recente no Seminário de Ações em Grandes Desastres em São Paulo a convite da JICA (Agência de Cooperação Internacional do Japão), entre outros. Douglas continua se especializando e difundindo suas ideias e conhecimentos em prol das vítimas de desastres acreditando que o poder da natureza não escolhe classe social, etnia, religião, sexo e nem idade e que seu trabalho poderá possibilitar o "recomeço" das vítimas de forma íntegra e digna. Segundo ele, a logística humanitária só existirá com todos juntos e convictos de que somos apenas parte de uma engrenagem como o propósito do bem comum.

Deixe uma resposta